Escolha uma Página

O óleo de lubrificação do motor tem uma função chave no funcionamento da mecânica de um veículo, é ele o responsável por evitar que o atrito entre as peças na unidade motriz do veículo aconteça, através da sua lubrificação, evitando a temida pane geral do veículo.

Existem hoje no mercado três tipos de óleo para o seu veículo, o que muda de um para outro é, basicamente, a forma de processamento, são eles:

  • Óleos minerais: eles são obtidos através da combinação de aditivos e óleos básicos, que vem através do refino do petróleo, se caracterizando como uma mistura de vários compostos. Esses compostos não passam por tantos processos quanto os óleos sintéticos. Eles são bons para carros mais antigos, porém precisam ser substituídos com maior frequência, além de serem mais baratos.
  • Óleos sintéticos: esses óleos são obtidos através de reações químicas, permitindo assim que se obtenha um produto com características mais facilmente controladas em laboratório, consequentemente, mais puro. Este óleo é mais duradouro e resistente à oxidação, sendo também mais lubrificante que o mineral.
  • Óleos semissintéticos: são uma mistura de óleos básicos minerais e sintéticos, em proporções definidas, buscando reunir as melhores propriedades que existem em cada tipo. Sua performance é melhor do que a dos óleos minerais, e seu preço é um intermediário entre o mineral e o sintético.

Qual é o melhor óleo para o meu veículo?

O tipo ideal de óleo para o seu veículo constará no “Manual de Proprietário”, aquele que fica no porta-luvas do seu veículo, e deve ser seguido de acordo com as especificações. Lembre-se, por mais que um tipo de óleo possa ser mais barato ou o outro ter um rendimento maior, cada carro é um carro e você deve se ater as especificações da fábrica.

Seu carro é antigo e o Manual foi perdido já faz bastante tempo? Provavelmente o óleo de lubrificação que ele usará é o óleo mineral, mas não deixe de dar uma conferida na concessionaria da marca do seu veículo e pergunte para eles qual é o óleo ideal.

Dicas para manter o óleo sempre em dia e ficar bem longe de um motor fundido

Separamos algumas dicas para que você consiga manter o óleo do seu veículo sempre em dia, evitando acidentes e danos que podem ser causados por ele. Olha só!

Não misture óleos: cada óleo foi desenvolvido para ser utilizado separadamente e, a junção deles ao invés de potencializar o carro, pode fazer com que vários dos sistemas fiquem entupidos, assim como podem causar danos irreversíveis ao motor.

Trocando todo o óleo: na hora de trocar o óleo, o ideal é nunca reaproveitar o resto de contido no carro, e sim fazer a troca completa da substância. Em casos de vazamento em viagens, por exemplo, pode-se completar o óleo com alguma outra marca, mas lembre-se de manter a sua matriz (sintética, semissintética ou mineral), assim como checar se o óleo tem a mesma viscosidade e grau de API e SAE. Faça a substituição total do óleo quando o problema for resolvido.

Não use aditivos no óleo: como falamos anteriormente, cada óleo é desenvolvido da forma necessária para o funcionamento do motor, aditivos podem causar danos, diminuindo sua vida útil, além de aumentar o nível de consumo do carro, entre outros problemas.

Não rode com o óleo acima, ou abaixo, do nível: o óleo acima do nível pode acumular nas bordas. Já a falta de óleo vai impedir que o motor seja lubrificado adequadamente, aumentando a fricção entre as peças, podendo desgastar as partes e fundir o motor.

Troque o filtro periodicamente: o filtro sujo contém restos de óleo oxidado e pode fazer com que o novo óleo leve as impurezas para o motor, contaminando o novo óleo, acelerando seu envelhecimento.