Escolha uma Página

Aderir ao novo ou continuar apostando no tradicional? Essa é uma dúvida constante quando chega a hora de escolher um novo modelo de carro e optar entre o câmbio manual ou automático. Há alguns anos atrás essa escolha era possível somente para carros luxuosos, mas que hoje é possível ser feita entre modelos com preços mais atrativos, especialmente entre os importados, como Chery, SsangYong e Lifan.

No post de hoje vamos dar uma mãozinha para tornar a sua decisão mais fácil e poder optar pelo modelo que mais vai se adaptar ao seu dia a dia!

Confortável, até demais

Não tem jeito, quando o quesito é conforto o câmbio automático ganha do manual, uma vez que o pé da embreagem pode “descansar” tranquilo e a troca constante de marchas não se faz presente, facilitando a direção especialmente em trânsitos caóticos, cuidando apenas da estrada, freando e acelerando.

Porém há quem diga que esse conforto todo, além de “acabar” com a emoção da direção, ainda pode dar sono no motorista, uma vez que lombadas, rótulas, elevações, assim como qualquer outro aspecto na direção, não precisa da constante troca de marchas, não exigindo tanta atenção nos tempos de aceleração, o que além do câmbio, também deixaria o piloto no automático.

O tempo de duração de cada sistema e sua manutenção

Por se tratar de uma tecnologia mais rebuscada, o veículo automático vai precisar de mais cuidado na hora da manutenção, exigindo um profissional qualificado no assunto. Se precisar de conserto e novas peças, a conta vai ficar mais salgada, lembrando também que a durabilidade desse sistema é menor do que o do câmbio manual.

Mas nem tudo são flores neste quesito para o manual, uma vez que, para que sua manutenção e durabilidade persistam, é necessário que o motorista seja habilidoso, conheça e respeite os tempos de marcha e do próprio veículo.

Nem sempre esse cuidado acontece. Sabe aquela “preguicinha” na hora de reduzir para a segunda marcha na hora da lombada? Ou os “arranhões” quando se pula ou estica uma marcha, forçando a rotação do veículo e, até a própria inabilidade em conseguir engatar as marchas corretamente.

Esses aspectos não só danificam o sistema manual como também podem estragar outras partes do automóvel.

Gasto de gasolina: qual dos dois “bebe” mais

  • Câmbio automático: esse sistema trabalha em alta rotação, uma vez que foi projetado para ser aproveitado em seu máximo, otimizando o torque em várias situações: estradas e cidades. Por este motivo o seu consumo de combustível é maior do que um sistema manual.
  • Câmbio manual: nesse sistema, a opção recomendada pela fábrica é que a troca da marcha seja feita enquanto as rotações do veículo estão baixas, respeitando os tempos e a aceleração gradativa do veículo, consumindo assim menos combustível. Porém, mais uma vez, isso vai depender da direção do próprio motorista. Se usado indevidamente, o carro manual vai consumir mais gasolina do que o automático.

E aí, já se decidiu?

Essas são algumas das diferenças entre o câmbio manual e automático, existem outros fatores que vão interferir no desempenho também, tais como o ano de produção do veículo, qual tecnologia é utilizada no motor e até a própria marca por qual você optar.

Modelos importados mais novos como o SsangYong Tivoli ou o Lifan X60 possuem a opção tanto para o câmbio manual quanto para o automático. Você certamente vai encontrar o modelo que deseja com o sistema de embreagem ideal.

Curtiu o post? Deixe sua opinião nos comentários, junto com dúvidas sobre o assunto e contando um pouco da sua experiência com os veículos manuais e automáticos!