Escolha uma Página

Os carros elétricos são uma das principais apostas do mercado para o futuro. E a China é um dos países que estão liderando essa revolução automobilística. Alguns dos principais veículos elétricos vendidos no mundo são fabricados por lá. Aqui no Brasil, esse mercado ainda cresce lentamente, parte por causa do alto preço dos carros movidos a energia elétrica.

Porém, esse cenário vai mudar assim que esses veículos começarem a ficar cada vez mais populares e, consequentemente, mais baratos. Aparentemente, essa mudança pode até acontecer antes do que muita gente imagina graças às marcas chinesas.

Um carrinho bem simpático, chamado de Chery eQ, está para chegar no Brasil em um futuro ainda indefinido e ele pode se tornar o elétrico mais barato do mercado e ser importantíssimo para mudar a forma como vemos os elétricos por aqui.

Chery eQ – O carro elétrico popular que pode chegar ao Brasil

O Cherry eQ não tem só o nome muito parecido com o do Chery QQ, carro subcompacto e o mais barato do Brasil. O eQ é a versão elétrica do QQ, que já está sendo vendido na China.

Aqui no Brasil, o QQ é vendido por pouco menos de R$30.000. Quando então a sua versão movida a energia elétrica poderia custar? Bom, de acordo com alguns diretores da Chery, o subcompacto elétrico poderia custar apenas R$ 50 mil. Esse suposto valor seria do produto sob a nova política automotiva, aprovada pelo governo do presidente Michel Temer na abertura do Salão do Automóvel 2018.

Tudo bem, 50 mil ainda é um valor bem alto, mas se formos considerar o preço de outros elétricos no Brasil, como o Renault Zoe de R$150 mil e o Nissan Leaf que beira os R$ 200 mil, então dá para entender porque muita gente está animada com a notícia.

Claro que esse ainda não é um valor oficial ou definitivo, mas é interessante saber que a Caoa Chery está pensando em trazer os populares elétricos para o mercado brasileiro, principalmente quando esse segmento está ainda engatinhando por aqui.

Por este valor, o Chery eQ não seria apenas o elétrico mais barato do Brasil, como seria o único abaixo dos R$ 100 mil. Se a ideia dos diretores se concretizar e o eQ realmente chegar por aqui, poderemos ter uma aceitação muito mais fácil dos elétricos.

Não podemos deixar de mencionar o HiTech, que é feito no Paraná e tem preços por volta dos R$ 55 mil. Porém, eles possuem limitações devido a velocidade reduzida e não podem ser usados para pegar estrada, por exemplo. Já o Chery eQ se comporta como um 1.0 com seus 57 cavalos e 15,5 kgfm.

 

Como Chery eQ pode ajudar o mercado de elétricos no Brasil

Com o preço na faixa dos R$ 50 mil e com as especificações bem parecidas com um carro 1.0, o eQ pode alavancar consideravelmente o mercado de carros elétricos no Brasil. O que mais afasta os consumidores é o preço alto ou então a falta de praticidade do veículo.

Alguns veículos elétricos, e aqui incluímos as motos, não são interessantes apesar do preço baixo. Isso acontece porque eles são muito lentos ou possuem design demasiadamente futurista e não prático. Com isso, o consumidor tem a opção de pagar R$ 150 mil em um elétrico prático ou pagar menos por um veículo que só pode ser usado em cidades, pois não tem força o suficiente no motor.

O eQ apresentaria o meio termo que faz tanta falta para os motoristas do Brasil e poderia ser um marco no processo da eletrificação nacional. Como está acontecendo na China, o aumento do número de carros elétricos só vai acontecer com o surgimento de novos modelos com preço mais acessível.

Infelizmente, como já dissemos, o preço é apenas uma especulação e pode não acabar se concretizando. Mas considerando a proposta da Chery com seus compactos, é bem provável que, se o eQ chegar ao Brasil, será com um preço bem competitivo e interessante.

Recentemente alguns postos de recarga foram inaugurados em diversas estradas do Brasil, com destaque para a Dutra entre Rio de Janeiro e São Paulo. Aos poucos o abismo entre os carros elétricos e a sua usabilidade e comercialização vai diminuindo.

O que esperar do Chery eQ

O modelo já é vendido na China e conta com alguns elementos interessantes. Ele vem com um motor elétrico de 57 cv e 15,3 kgfm de torque, alimentado por baterias de íons de lítio que ficam localizadas debaixo do motor. As baterias prometem uma autonomia de 200 km com carga completa e tem um tempo de recarga completa entre 8 e 10h em uma tomada convencional de 220V.

Provavelmente ele traria poucas mudanças no visual, já a ideia é ficar com a cara do Chery QQ. Ele muito provavelmente seria fabricado em Jacareí, reduzindo assim os custos de produção e mantendo o preço competitivo que tanto interessa o mercado brasileiro.

O subcompacto na China conta também com bancos e portas com padrões diferenciados, cluster digital, seletor de marchas e aplicativo de smartphone para gerenciar a carga elétrica.

Essas são excelentes notícias para quem está acompanhando a evolução dos carros elétricos no Brasil! O jeito é aguardar para ver como vai ser essa evolução e torcer para que tenhamos um bom resultado no futuro.