Cheiro de carro novo? Descubra como ele é produzido - Blog Armazem Autopeças
Escolha uma Página

Sempre que você entra dentro de um carro novo, a reação é a mesma… “hmmm que cheirinho de carro novo!” não é mesmo? Hoje vamos te contar como esse cheiro é produzido e as peculiaridades que envolvem este assunto.

Aroma característico!

Aposto que assim que você começou a ler esse post, você já lembrou daquele cheiro característico que só os carros novos possuem, não é mesmo?! Esse aroma não acontece por acaso e é o resultado de vários e vários testes para desvendar como os odores emanados pelos mais de 100 tipos de materiais presentes dentro do veículo se combinam.

A equipe do site Fast Co. Design conversou com a engenheira de materiais da Ford, Linda Schmalz, para desvendar o processo de criação do “cheiro de carro novo”.

Segundo a engenheira, isto é apenas uma pequena obsessão que todas as montadoras têm para que seus carros se tornem ainda mais atrativos para os clientes, mesmo os modelos mais baratos. Isso explica o motivo deste cheiro inconfundível.

Desgaseificação

É o nome do processo que acontece quando produtos industriais novos liberam resíduos químicos no ar que possuem um odor perceptível. Porém, isso varia bastante para o interior de cada modelo de carro. Por exemplo, se foi usado tecido, couro, plástico ou madeira nos componentes, e até mesmo a cola usada para unir certas peças, o resultado final do processo vai passar por uma interferência.

Segundo Linda, esses gases são liberados constantemente por um curto período de tempo

e não são renováveis.

Teste do cheiro

Segundo Linda, a maior preocupação em relação a isso não é diretamente produzir o cheiro de carro novo, mas sim, desenvolver materiais de forma que eles tenham odores perceptíveis, mas que não cheguem ao ponto de incomodar quem está dentro do veículo.

Para testar como vai ser o cheiro de cada parte do carro quando ele já estiver nas ruas, a Ford utiliza um método que é quase caseiro, que é composto apenas de potes de vidro e um forno.

Um pedaço do material em questão é colocado dentro de um dos recipientes, que então é aquecido três vezes, cada uma delas em temperatura diferente: 22,7ºC, que simula a temperatura ambiente; 40ºC, com um pouco de água no pote, que simula a umidade; e 80ºC que simula o ar quente no interior de um carro em um dia ensolarado.

É escalado um time composto de 6 jurados que, individualmente, dão notas para cada cheiro e, de forma subjetiva, ressaltam qualquer coisa que pareça cheirar mal.Todos os materiais novos que foram comprados passam por esse teste, mesmo que seja um novo tipo de carpete ou de madeira para o painel. Os componentes combinados também são testados, para se ter certeza de que os seus odores combinem no produto final de maneira satisfatória.

Nunca vai ser possível saber com certeza qual será o odor que um veículo vai ter até que todas as peças estejam no lugar e todos os cheiros dos materiais interajam entre si, e mesmo nesse ponto ainda podem surgir alguns problemas.

Um fornecedor, por exemplo, pode ter mudado um componente da formulação de seu produto e isso não foi revisado. Após isso, a fábrica entra em contato com o laboratório informando que há um “problema de cheiro” na linha de montagem. Porém, isto não é algo que aconteça com frequência.

Agora que você já sabe um pouco mais sobre como aquele cheirinho que todo mundo gosta é produzido, conte para seus amigos sobre isso. Será que eles sabiam que era tão complexo assim?